Commoditites Agrícolas

3/30/2016

Café: Vendas de fundos: A valorização do dólar em relação a outras moedas no mercado internacional motivou uma onda de vendas por parte de fundos de investimentos e determinou a queda das cotações do café na quinta-feira na bolsa de Nova York, informou a agência Dow Jones Newswires. Os contratos com vencimento em março encerraram a sessão negociados a US$ 1,2785 por libra-peso, queda de 185 pontos, enquanto os papéis para entrega em maio recuaram 190 pontos, para US$ 1,3020. Apesar dos baixos estoques globais do produto, as previsões de boa safra no Brasil pressionam as cotações, conforme traders nova-iorquinos. No mercado doméstico, a saca de 60,5 quilos de café de boa qualidade saiu entre R$ 280 e R$ 290, conforme o Escritório Carvalhaes, de Santos.

 

 

 

Algodão: Consumo desacelerado: Os preços do algodão na bolsa de Nova York tiveram forte queda na quinta-feira com o sinal de que os mais altos preços em dois anos estão desacelerando as exportações dos EUA. Os papéis com vencimento em maio fecharam ontem em 81,82 centavos de dólar por libra-peso, queda de 115 pontos. Também ajudaram a sustentar a queda a avaliação de que o ganho no dólar vai reduzir o apelo pelas commodities como alternativa de investimento. Segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, informados pela Bloomberg, as exportações americanas na semana encerrada em 25 de fevereiro foram de 133 mil fardos, menos da metade da média semanal registrada neste ano. No mercado interno, a arroba do produto fechou em R$ 44,80 em Rondonópolis, segundo o Imea/MT.

 

 

 

Soja: Piso em três semanas: A valorização do dólar, o avanço da colheita na América do Sul e o limitado interesse de importadores determinaram a queda das cotações da soja na quinta­feira na bolsa de Chicago. Segundo a Dow Jones Newswires, os contratos com vencimento em março fecharam a US$ 9,3250 por bushel, baixa de 22 centavos de dólar, ao passo que os futuros para entrega em maio recuaram 21,50 centavos de dólar, para US$ 9,42. É o mais baixo patamar de preços em três semanas, e se a demanda chinesa não reagir novas retrações poderão acontecer, conforme traders em Chicago. Em Rondonópolis (MT), as ofertas de compra e venda pela saca de 60 quilos ficaram em R$ 29, de acordo com o Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea).

 

 

Trigo: Exportações menores: Sinais de que a demanda por trigo americano também pode declinar sustentaram a queda do trigo na quinta-feira nas bolsas americanas. Os futuros para maio na bolsa de Chicago fecharam em US$ 5,0225 o bushel, queda de 13,50 centavos, e o mesmo vencimento em Kansas encerrou o pregão em US$ 5,0775, recuo de 10,25 centavos. Segundo informações do departamento de agricultura dos Estados Unidos, reportadas pela Bloomberg, os exportadores americanos venderam 101,585 mil toneladas na semana finalizada em 25 de fevereiro, queda de 73% em relação à semana anterior. No mercado interno, a saca de 60 quilos do cereal fechou o dia de ontem em queda de 0,46% em R$ 23,91, segundo o Deral, da Secretaria de Agricultura do Paraná. (Valor Econômico 30/03/2016)

Please reload