Commodities Agrícolas

4/25/2016

Açúcar: Produção brasileira: Os preços do açúcar recuaram na sexta-feira na bolsa de Nova York, refletindo vendas técnicas dos fundos e apostas de que o Centro-Sul do Brasil começou a safra 2016/17 com alto volume de produção. Os contratos do demerara para julho recuaram 32 pontos, a 15,47 centavos de dólar a libra-peso. Os dados devem ser divulgados nesta semana pela União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica). Os analistas estimam que tenham sido processadas em torno de 31 milhões de toneladas de cana, com produção de 1,2 milhão a 1,3 milhão de toneladas de açúcar na primeira quinzena de abril. Os traders também aguardam a aproximação do vencimento do contrato de maio. Na sexta-feira, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal em São Paulo ficou em R$ 75,85 a saca, alta de 0,32%.

Café: Pressão do dólar: Os futuros do café registraram perdas na sexta-feira na bolsa de Nova York, na esteira da desvalorização das demais commodities e sob influência da alta do dólar sobre o real. Os contratos do arábica para julho caíram 75 pontos, a US$ 1,2335 a libra-peso. O fortalecimento do dólar, que respondeu tanto a fatores externos como domésticos, costuma estimular as exportações do Brasil, o que pode aumentar a oferta de café disponível no mercado. Segundo Rodrigo Costa, diretor de commodities do Société Générale, os fundos de investimento já têm começado a rolar posições diante da aproximação do vencimento dos papéis para maio, o que tem aumentado a liquidez. No mercado interno, o preço do café de boa qualidade oscilou entre R$ 490 e R$ 500 a saca de 60,5 quilos, segundo o Escritório Carvalhaes, de Santos.

Cacau: Demanda asiática: As indústrias processadoras de cacau da Ásia reportaram um aumento de 2,9% no volume moído no primeiro trimestre ante igual período de 2015, para 148.911 toneladas. Como o dado veio acima das expectativas, os contratos do cacau na bolsa de Nova York para julho subiram US$ 48 na sexta-feira, para US$ 3.155 a tonelada, alcançando o maior valor do ano. O crescimento da moagem, porém, reflete fatores locais, como aumento da demanda mais típico deste início de ano na região, afirma Edward George, analista do Ecobank. A demanda por chocolate no continente, porém, ainda é muito pequeno na comparação com os principais centros consumidores. Em Ilhéus e Itabuna, o preço médio do cacau ficou estável, em R$ 151 a arroba, conforme a Central Nacional de Produtores de Cacau.

Trigo: Lucros no bolso: O trigo registrou desvalorização expressiva na sexta-feira, em meio a um movimento de realização de lucros. Em Chicago, os lotes para julho fecharam em queda de 29,50 centavos, para US$ 4,74 por bushel. Em Kansas, onde se negocia o cereal de melhor qualidade, os papéis de mesmo vencimento caíram 26,50 centavos, a US$ 4,7350 por bushel. Os fundos buscaram liquidar posições diante de um quadro de oferta e demanda confortável demais para sustentar o trigo no patamar em que vinha sendo negociado. A valorização do dólar ante diversas moedas torna o cenário ainda menos favorável, já que os EUA têm encontrado dificuldade em competir com o trigo de outros países. No Paraná, o preço médio ficou em R$ 41,19 por saca na quarta­feira, ligeira alta de 0,05%, conforme o Deral/Seab. (Valor Econômico 25/04/2016)

Please reload