Commodities Agrícolas

7/22/2016

 

Açúcar:

 

Demanda firme: As cotações do açúcar registraram alta ontem na bolsa de Nova York, sustentada por sinais de que a demanda permanecerá firme. Os contratos com vencimento em março fecharam a 19,81 centavos de dólar por libra-peso, com valorização de 28 pontos. Segundo um trader que atua no segmento, estatais de Irã e Egito compraram ontem 60 mil e 150 mil toneladas, respectivamente. A China, por sua vez, divulgou que voltou a ampliar suas importações da commodity em junho. Foram 369,2 mil toneladas, 54% mais que no mesmo mês do ano passado. Mesmo assim, no acumulado do primeiro semestre o volume caiu 42%, para 1,3 milhão de toneladas. No mercado doméstico, o indicador Cepea/Esalq para a saca de 50 quilos do açúcar cristal registrou alta de 0,57%, para R$ 86,60.

 

Café:

Incerteza no Brasil: Os preços do café arábica recuaram ontem na bolsa de Nova York, em uma sessão marcada pela volatilidade. Os papéis para entrega em dezembro fecharam a US$ 1,49 por libra-peso, em queda de 5 pontos em relação à véspera. As incertezas sobre os impactos da geada de segunda-feira passada sobre a safra 2017/18 do sul de Minas Gerais continuam a gerar nervosismo no mercado. Foi a segunda onda de frio extremo no país, cuja colheita da safra 2016/17 chegou a 64% da área plantada até 19 de julho, segundo estimativa da consultoria Safras & Mercado. O Brasil é o maior produtor mundial de café e tem grande peso na formação dos preços internacionais. No mercado doméstico, a caixa de 60,5 quilos do café de boa qualidade saiu entre R$ 540 e R$ 560, segundo o Escritório Carvalhaes.

 

Suco de laranja:

Nada de furacões: As cotações do suco de laranja concentrado e congelado (FCOJ) caíram ontem na bolsa de Nova York, pressionadas na melhora do clima na Flórida, que reúne o segundo maior parque citrícola do mundo. Os contratos com vencimento em novembro encerraram o dia a US$ 1,7985 por libra-peso, uma queda de 150 pontos em relação à véspera. A temporada de furacões nos EUA, que vinha oferecendo suporte às cotações, tem se mostrado menos intensa do que se esperava, o que tende a abrir espaço para novas baixa. "O mercado está perdendo parte do prêmio climático adquirido", afirma Jack Scoville, da Price Futures Group. No mercado spot de São Paulo, a caixa de 40,8 quilos da laranja destinada às indústrias de suco saiu por R$ 19,91, segundo o Cepea/Esalq.

 

Milho:

Exportações dos EUA: Os preços do milho registraram queda ontem na bolsa de Chicago, em decorrência da redução das exportações americanas. Dezembro fechou a US$ 3,4075 por bushel, baixa de 3,5 centavos. Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), o país acertou a exportação de 345,1 mil toneladas do grão na semana de 8 a 14 de julho, 48% menos que na anterior e volume 42% inferior ao da média das últimas quatro semanas. A expectativa era que o USDA apontasse vendas entre 400 mil e 600 mil toneladas. A melhora das perspectivas climáticas para o Meio-Oeste dos EUA também ajudou a pressionar as cotações. Nas principais praças de Mato Grosso, a saca de 60 quilos continua acima de R$ 27, conforme o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea/Famato). (Valor Econômico 22/07/2016)

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now