Nova colhedora

9/20/2018

 

A parceria entre Case e São Martinho vem desde o início da década de 90, quando a usina virou campo de testes de produtos para cana desenvolvidos pela multinacional. Segundo Roberto Biasotto, gerente de marketing de produto da montadora, a nova colhedora série 8810 garante uma economia de 15% no consumo de combustível, melhor qualidade de colheita e tem 29 melhorias tecnológicas que foram introduzidas nesses equipamentos nos últimos anos.

A mecanização da colheita na São Martinho, uma das pioneiras do setor, atinge neste ano 97%. O diretor agrícola admite que a mecanização, com o fim do corte de cana queimada, deixa 15 a 20 toneladas de matéria seca por hectare no solo, mas afirma que os ganhos de longevidade e produtividade do canavial, assim como ganhos ambientais e sociais, são bem maiores.

A usina testa há quatro anos a colhedora Case A-8800 Multirow, de duas linhas, que demanda mudanças no espaçamento de plantio da cana, mas pode garantir uma grande redução de custos na colheita. O desafio é diminuir as perdas de eficiência de colheita em relação à máquina de uma linha. A São Martinho tem uma frota de 68 colhedoras, sendo nove 8810 e cinco Multirow. Cada máquina colhe em média 970 toneladas por dia (na região Centro Sul, a média é de 494 toneladas), desempenho que sobe a cada ano. Na safra 2014/15, por exemplo, a média por máquina era de 772 toneladas/dia. (Globo Rural 14/09/2018)

Please reload