EUA ANUNCIA META DE 30% DE PARTICIPAÇÃO DE MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEL EM 2050

2/21/2020

 

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou, nesta quinta-feira (20), uma nova meta para os biocombustíveis, que devem representar 30% do mercado de combustíveis para transporte nos EUA até 2050.

A medida pode reforçar uma indústria que foi atingida pelo atual governo. O presidente Donald Trump foi criticado pela indústria de etanol à base de milho depois que sua Agência de Proteção Ambiental (EPA) concedeu isenções referentes ao requisito de mistura de biocombustíveis para dezenas de empresas de petróleo nos últimos dois anos.

Na meta em vigor para 2020, as refinarias precisam misturar 79,12 bilhões de litros de biocombustível. O volume representa cerca de 10% da produção projetada de petróleo bruto, de acordo com a Agência de Informações de Energia dos EUA.

Sustentabilidade

A meta de biocombustível proposta é parte de uma nova iniciativa de sustentabilidade que será anunciada pelo secretário do USDA, Sonny Perdue. O plano visa aumentar a produção agrícola em 40% e reduzir o impacto ambiental do setor agrícola em 50%.

“Podemos aumentar a produção de matérias-primas para energia renovável e estabelecer uma meta para aumentar a eficiência e a competitividade da produção de biocombustíveis”, disse a EPA em comunicado. O objetivo seria alcançar taxas de mistura de 15% em 2030 e de 30% em 2050.

Como parte do plano de sustentabilidade, os funcionários do USDA também irão explorar os resultados de pesquisas já conduzidas. Entre os vários objetivos, de acordo com o USDA, está a análise dos dados de produtividade e conservação das culturas, bem como números do setor público, que serão usados para orientar os programas agrícolas.

Motivações políticas

Além disso, a meta ambiental também pode desviar as críticas de agricultores e produtores de etanol em um ano eleitoral. O primeiro mandato de Donald Trump termina em 2021 e ele está em campanha pela reeleição.

De maneira geral, o plano contrasta com a abordagem contínua do governo Trump em relação a questões ambientais – anteriormente, o presidente descreveu a mudança climática como uma “farsa”.

Nos últimos dois anos, a EPA concedeu mais de 30 dispensas a refinarias, incluindo instalações de propriedade da Exxon Mobil e Chevron Corp. Com isso, elas foram liberadas de suas metas para a mistura de biocombustíveis.

As dispensas, entretanto, alimentaram o ressentimento da comunidade agrícola em relação à política de etanol do governo e deu uma oportunidade aos rivais de Trump. Agora, diversos políticos esperam que os eleitores de estados produtores de milho, como Iowa, estejam mais abertos a votar em um democrata.

Please reload